Blog

Evolução do investimento social privado

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Até a década de 1980, o investimento em projetos sociais era visto por uma ótica meramente filantrópica e econômica, sendo considerado por vezes fonte de custos para as empresas. Sem apresentar conexão com os negócios da organização, os empreendimentos sociais atendiam, de forma pontual, as demandas de uma sociedade menos participativa e que se conformava facilmente com o tipo de investimento que se apresentava a ela.

Em 1986, com a regulamentação do processo de licenciamento ambiental no Brasil, iluminou-se o conceito de sustentabilidade. A partir de então, as empresas passaram a reconhecer que era preciso cuidar não apenas de aspectos relacionados ao meio ambiente, mas também da questão social. Surgiu, então, uma visão mais legalista, na qual os projetos socioambientais passaram a ser  tratados como uma importante ferramenta de eliminação de riscos para o negócio e uma forma de prestar contas à sociedade.

A partir dos anos 2000, as empresas começaram a compreender melhor a responsabilidade que tinham sobre as comunidades em seu entorno, enquanto, em paralelo, a sociedade se tornava mais participativa e questionadora. Esse período foi o berço do conceito de valor compartilhado, que passou a apontar para um investimento social que verdadeiramente deixasse um legado, com benefícios comprovados para a sociedade.

No entanto, até 2010, essa visão de legado permaneceu completamente desconectada do negócio.  Havia clareza quanto ao compromisso que as empresas tinham com a sociedade e com a melhoria de vida das populações, mas ainda faltava conectar esse compromisso com o coração do negócio, algo que só começou a acontecer nos últimos 5 ou 6 anos.

Hoje, ao olharmos para o caminho percorrido até aqui, notamos uma clara interdependência entre investimento social e a história da sociedade. Os tempos mudam, novas demandas surgem, as comunidades evoluem, as empresas também. A cada era, novos desafios se levantam e o investimento social vai se reinventando para acompanhar uma sociedade complexa e em constante transformação.

Dia do Bem-Fazer completa 10 anos

Há 10 anos, nascia uma iniciativa que com o tempo vem se renovando e mudando a forma de empreender açõesvoluntárias. Atividades que significam muito na